Arquivojunho 2013

“Universidade Monstros” foge da mesmice ao pegar o caminho mais difícil

monsters-university-oozma-kappa

“Universidade Monstros” tinha tudo para ser apenas correto, especialmente dentro do histórico da Pixar – “Wall.E”, “Toy Story”, etc. Engraçado, claro. Charmoso, sem dúvidas. Mas quando ele transforma seu clímax em um anti-clímax, estendendo a narrativa e pervertendo uma previsível lição de moral – porque as animações substituíram as fábulas como formadoras morais das nossas crianças -, ele se torna algo um pouco mais interessante e importante do que um blockbuster de meio de ano. Leia mais

“O Lugar Onde Tudo Termina” reflete sobre os ciclos da vida

Ryan Gosling stars as Luke in Derek Cianfrance’s The Place Beyond the Pines, a Focus Features release.Credit:  Atsushi Nishijima

Há um incômodo claro em relação a “O Lugar Onde Tudo Termina” para o espectador médio. São três atos completamente distintos, ainda que interligados, que mais lembram a estrutura de peças do teatro clássico, ou mesmo longos romances que abraçam períodos extensos das vidas de seus personagens. Isso, aliado ao fato de que o filme é um drama pesado, sem deixar claro quem é mocinho e quem é bandido, não facilita para quem está mais acostumado a blockbusters atravessar as mais de duas horas de exibição. Mas o resultado final, se houver uma chance, pode ser recompensador. Leia mais

Park Chan-wook estreia bem no cinema americano com “Segredos de Sangue”

stoker

Em geral, quando um diretor com uma pegada extremamente autoral, vindo de outros países, faz sua estreia em Hollywood, a coisa não é boa. Walter Salles e seu “Água Negra” estão aí para provar isso. Mas essa não é uma regra e “Segredos de Sangue”, do coreano Park Chan-wook, é a evidência disso. Se você conhece sua “Trilogia da Vingança” (“Simpatia Pelo Senhor Vingança”; “Oldboy”; e “Lady Vingança”), bem como “Sede de Sangue”, vai reconhecer todas as marcas do diretor aqui. Leia mais

“Antes da Meia-Noite” lida com questões mais maduras que antecessores

Julie Delpy e Ethan Hawke em Antes da Meia-Noite

Eles eram jovens que se encontraram e se amaram e tinham a vida toda pela frente. Agora eles já não são mais tão novos assim e uma boa parte de seu tempo já passou. E isso tem um peso enorme sobre suas (nossas?) vidas. Especialmente porque quanto mais velhos ficamos, menos tempo gastamos com nós mesmos, mas com filhos, trabalho, contas e assim por diante.

Leia mais

“O Grande Gatsby” não faz jus à obra de Fitzgerald

(L-r) LEONARDO DiCAPRIO as Jay Gatsby and CAREY MULLIGAN as Daisy Buchanan in Warner Bros. Pictures’ and Village Roadshow Pictures’ drama “THE GREAT GATSBY,” a Warner Bros. Pictures release.

Em geral é injusto com um filme fazer comparações com a obra literária que lhe deu origem. Mas quando se trata de um livro tão importante e com tantos méritos quanto “O Grande Gatsby”, de F. Scott Fitzgerald, um dos maiores romances americanos do século 20 (em minha modesta opinião), a injustiça é com o livro. E, considerando que em todo um mundo de histórias de amor em que Baz Luhrmann poderia se apoiar para fazer seus exercícios de estilo ele resolveu escolher justamente a história de Jay Gatsby, a responsabilidade da injustiça fica com o diretor. Leia mais