Game of Thrones – The Winds of Winter

Game of Thrones - The Winds of WinterGame of Thrones - The Winds of Winter

O texto é longo e cheio de spoilers.

Depois de dois anos em que as tramas de Game of Thrones sofreram uma franca expansão, fragmentando radicalmente a narrativa, tornando cada episódio uma colagem de passagens curtas de cada núcleo, The Winds of Winter finalmente indica convergência. Serão basicamente três pontos de atenção central de agora em diante: Daenerys Targeryan, Jon Snow e Cersei Lannister (Emilia Clarke, Kit Harrington e Lena Headey), com outros arcos menores orbitando ao redor. É provável que, dessa forma, a próxima temporada seja mais profunda no desenvolvimento dramático e de ação. Leia mais

Game of Thrones – Battle of the Bastards

Game of Thrones - Battle of the Bastards

Texto cheio de spoilers. Como todos os outros deste site.

É incrível que um episódio tão raso quanto No One seja seguido por Battle of the Bastards, seguramente um dos mais interessantes de toda Game of Thrones. Há, claro, questões orçamentárias e narrativas a serem pesadas. Nem todos os episódios podem ser tão caros e empolgantes sob pena de falência e hiper-estímulo dos fãs. Mas, em uma última consideração sobre o oitavo episódio antes de mergulharmos nas batalhas por Meereen e Winterfell, precisava ser tão ruim assim? Leia mais

Game of Thrones – No One

Game of Thrones - No One

Spoilers para todos os lados.

No One é, de longe, o mais anticlimático dos capítulos desta temporada de Game of Thrones. Talvez de toda a série. Há um curioso contraste entre os dois últimos, rápidos e cheios de revelações e reviravoltas, e este. O episódio não apenas foi modorrento: se recusou terminantemente a demonstrar qualquer cena que satisfizesse o espectador, seja visualmente através de uma batalha ou sequência de luta, seja narrativamente, por um diálogo que iluminasse alguma característica dos personagens. Leia mais

Game of Thrones – The Broken Man

Game of Thrones - The Broken ManGame of Thrones - The Broken Man

Texto recheado de spoilers. Estejam avisados.

O que em Blood of My Blood era uma suave quebra de ritmo, com a narrativa sobre um dos personagens sendo retomada mais adiante no episódio pela primeira vez em muito tempo, em The Broken Man se tornou a tônica. Parte da nova dinâmica se dá logo de cara, com uma cena antes da sequência de abertura. Algo raro, ainda que não inédito em Game of Thrones. O artifício é pela óbvia necessidade de acelerar o andamento das cenas, que deverá culminar em uma grande batalha em algum ponto dos próximos capítulos. Leia mais

X-Men: Apocalipse

X-Men: Apocalipse

O fracasso de Cleópatra (1963) colocou em cheque a grande era dos estúdios de Hollywood. Os épicos e musicais, caros e trabalhosos, já não se conectavam com o público da mesma forma. Curiosamente, X-Men: Apocalipse (X-Men: Apocalypse, 2016), mega produção baseada em quadrinhos – sub-gênero herdeiro direto dos épicos e musicais – começa no mesmo Egito Antigo do clássico estrelado por Elizabeth Taylor. Não estou aqui defendendo que a nova aventura dos mutantes será o fracasso de bilheteria que porá fim aos filmes de herói de orçamento inchado – talvez seja Batman vs Superman: A Origem da Justiça (Batman v Superman: Dawn of Justice, 2016), mas a opulência da produção e a escala das imagens sugerem algumas semelhanças. Leia mais

Game of Thrones – Blood of My Blood

Game of Thrones - Blood of My Blood

Texto cheio de spoilers.

“Sangue do Meu Sangue”, tradução do título original do episódio, o sexto da sexta temporada, mais do que dar um norte para os diferentes seguimentos, é um tema comum para toda a saga de Game of Thrones. As questões familiares, de sangue, portanto, são causa ou consequência da maior parte dos conflitos Westeros afora. Mas, talvez pela evocação do título, são justamente as relações de sangue que ficam no centro de cada uma das passagens. Leia mais

Game of Thrones – The Door

Game of Thrones - The Door

Texto com spoilers. Leia por conta e risco.

Chegamos na metade desta sexta temporada. A tensão construída ao longo dos últimos capítulos começa a entrar em ebulição. Ao mesmo tempo fé e política começam a se misturar de forma perigosa, criando uma dinâmica própria cujas reais implicações só deverão ficar claras mais adiante. The Door nos dá um primeiro vislumbre do abismo para onde se dirigem os personagens de Game of Thrones. Guerra e obscurantismo estão no horizonte na forma de governos e religiões, um casamento que se manifesta em diferentes estágios de aproximação por toda Westeros. Leia mais

Game of Thrones – Book of the Stranger

Game of Thrones - Book of the Stranger

O texto é longo e cheio de spoilers.

Daenerys Targaryen (Emilia Clarke) ressurge mais poderosa do que nunca neste quarto episódio da sexta temporada de Game of Thrones. Não apenas pela sua vitória triunfal diante do obscurantismo e tradições Dothraki, mas pela habilidade com que seu mais novo aliado, Tyrion Lannister (Peter Dinklage), lidou com a crise dos escravos em Meereen durante sua ausência. A Mãe dos Dragões reafirmou seu dom como conquistadora – em um paralelo diretamente ligado ao final da primeira temporada – ao mesmo tempo em que, através do conselheiro, ganhou o que lhe faltava: articulação política. Leia mais

Game of Thrones – Oathbreaker

Game of Thrones - OathbreakerGame of Thrones - Oathbreaker

O texto é longo e cheio de spoilers.

Eis mais um episódio em que o título norteia boa parte das sequências. Não há nenhuma revelação chocante, como no final dos dois últimos capítulos, mas alguns bons diálogos e a consonância temática em relação à ideia de “quebra de juramento” garantiram a qualidade geral. É esta preocupação que ajuda a manter a coerência em uma série que está tão fragmentada em linhas narrativas que não se cruzarão até pelo menos a metade desta temporada. Leia mais

Capitão América: Guerra Civil

Capitão América: Guerra Civil

É bem possível que do ponto de vista narrativo Capitão América: Guerra Civil (Captain America: Civil War, 2016) só faça sentido dentro do contexto do Universo Cinematográfico Marvel. Ou seja, o arco de desenvolvimento de personagens não se resolve dentro do intervalo das duas horas e meia de projeção, mas sim em perspectiva em relação aos demais filmes. Por um lado isso é desimportante, já que as bilheterias dos últimos 12 filmes implica que bem poucas pessoas estarão perdidas na trama; por outro talvez seja o que torne a nova aventura dos heróis da Marvel algo mais. Podemos até mesmo arriscar a palavra transcendental. Leia mais